Apresentação

A assexualidade é considerada, de forma genérica, uma orientação sexual que descreve pessoas que não sentem atracção sexual. Num contexto em que se presume que o desejo sexual é universalmente experienciado, é chegado o momento de reconhecer e discutir a assexualidade como uma forma recém enunciada de identidade e um conceito político e, em paralelo, como uma nova experiência de discriminação e de marginalização.

Esta pesquisa é realizada no âmbito do programa doutoral em Human Rights in Contemporary Societies do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES). É um projecto interdisciplinar, qualitativo e participativo centrado na assexualidade em Portugal que se situa no cruzamento entre a antropologia da sexualidade, os direitos humanos e a etnografia digital. Parte de uma perspectiva feminista e queer para discutir as experiências de pessoas que se auto-identificam como assexuais em Portugal: as suas lutas, desafios e conquistas.

Numa altura em que as narrativas (as)sexuais estão a ser amplamente contadas e partilhadas, e num momento em que a assexualidade está muito paulatinamente a ganhar visibilidade na sociedade portuguesa, este projecto está a considerar as histórias contemporâneas sobre a assexualidade que estão a ser contadas pela medicina e pelos media – dois poderosos domínios da criação do que é considerado culturalmente dominante e aceitável num contexto específico -, mas principalmente aquelas que estão a ser contadas e construídas por pessoas que se auto-identificam como assexuais.

Financiamento

Este trabalho é co-financiado pelo Fundo Social Europeu, através do Programa Operacional Potencial Humano e por Fundos Nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia no âmbito da Bolsa de Doutoramento com a referência SFRH/BD/52281/2013.

  • Programas de Doutoramento FCT
  • Programa Operacional Potencial Humano
  • Quadro de Referência Estratégico Nacional
  • Fundo Social Europeu